Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
MEIO AMBIENTE

Balões juninos ecológicos são testados no Paraná

  • Publicado: Terça, 13 de Junho de 2017, 19h28
  • Última atualização em Terça, 20 de Junho de 2017, 22h06
  • Acessos: 52

Os balões do Festival não usam fogo para subir, diferente dos balões festivos, com uso de fogo, que são proibidos

Baloes Evento Tunas Credito SAPEC 6

No último domingo (11/6), foi realizado o Festival do Balão Sem Fogo Ecologicamente Correto, em Tunas do Paraná (PR), promovido pela Associação de Baloeiros do Paraná – Sapec (Somos Arte Papel e Cola). O evento foi um teste para o lançamento de balões não tripulados e ecológicos e teve o objetivo de monitorar e estudar o comportamento desses artefatos no espaço aéreo brasileiro.

A aprovação para realização do evento foi parte do escopo do Grupo de Trabalho (GT) coordenado pelo Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil. O Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea), participante do GT, autorizou o lançamento destes balões na cidade de Tunas do Paraná, localizada a 37 milhas náuticas – aproximadamente 67 quilômetros – do Aeroporto Internacional Afonso Pena, em Curitiba, e próximo ao limite norte da Área de Controle Terminal de Curitiba (TMA-CT).

“No festival, avaliamos os balões que cumprem a regulamentação vigente do Decea. Fora disso, soltar balão é crime e será combatido por nós”, avisou o ministro dos Transportes, Maurício Quintella, informando que nesta época do ano o setor aéreo fica especialmente preocupado com os balões juninos, porque são registrados mais incidentes com balões, principalmente, nos estado do Rio de Janeiro, São Paulo e Paraná.


Assista ao vídeo do ministro Quintella sobre as Festas Juninas.



BALÃO É COISA SÉRIA – Há um ano, a IFALPA (Associação Internacional das Federações de Pilotos da Aviação Civil) colocou o Brasil na lista dos lugares “criticamente deficientes em segurança” de voo, por causa pratica disseminada de soltar balões não tripulados – “ balões festivos”. Desde então o governo brasileiro adotou uma série de medidas, entre as quais estão a campanha “Balão é coisa séria”, voltada para a população; a elaboração de um manual de orientação das forças de segurança pública; e medidas para melhorar os avisos aos pilotos em caso de ocorrências com balões no espaço aéreo.

Até 15 ou 20 anos atrás, os balões festivos se resumiam a pequenos artefatos de papel, soltos nas festas juninas. Hoje em dia são feitos com grandes recursos financeiros, têm dezenas de metros de tamanho e centenas de quilos de peso devido às armações de metal e suportes para fogos de artifício. Por isso, tornaram-se ao longo do tempo um perigo em potencial para os aviões.

FESTIVAL – Segundo o presidente da Sapec, Egbert Schlogel, seis dos 40 balões soltos no Festival tiveram o propósito de servir como material de estudo sobre seu comportamento, como altura, temperatura, distância e outras informações. Cada artefato foi equipado com uma rádio-sonda que envia mensagens ao sistema e, com os dados coletados, estudos serão elaborados. “Fizemos um evento teste com lançamento de 40 balões, mas ainda é necessário realizarmos alguns ajustes”, ponderou.

Durante o evento, os organizadores ficaram responsáveis pela vistoria dos balões e que todos eles tivessem a correta configuração estabelecida, incluindo os mecanismos de deflação (serve para fazer que o balão perca força e faça-o descer).

AVALIAÇÃO – Após a análise dos dados técnicos coletados durante a realização do evento, um relatório será apresentado ao GT, no início do próximo semestre, quando serão avaliados os impactos dos balões não tripulados no espaço aéreo.

Para a realização do festival, o Decea emitiu o NOTAM (aviso aos aeronavegantes) proibindo o voo de aeronaves num raio de 10 quilômetros do local do evento. Além disso, foram feitos avisos aos pilotos sobre a possibilidade de avistamento de balões relacionados ao evento.

Foto: Sapec (Associação de Baloeiros)
Assessoria de Comunicação
Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil

registrado em:
Fim do conteúdo da página
>